Seja bem-vindo ª

Seja bem-vindo ª

O dia em que os corajosos sumiram e os medrosos apareceram


A falta de coragem gera improdutividade e perca de oportunidades.
"DIA EM QUE OS CORAJOSOS SUMIRAM E OS MEDROSOS APARECERAM

PROPÓSITO: Motivar o desenvolvimento da coragem.
TEXTO: João 19.32-42 “Foram então os soldados” e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro e ao outro que com ele fora crucificado; mas vindo a Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. E é quem viu isso que dá testemunho, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. Porque isto aconteceu para que se cumprisse a escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado. Também há outra escritura que diz: Olharão para aquele que traspassaram. Depois disto, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, embora oculto por medo dos judeus, rogou a Pilatos que lhe permitisse tirar o corpo de Jesus; e Pilatos lho permitiu. Então foi e o tirou. E Nicodemos, aquele que anteriormente viera ter com Jesus de noite, foi também, levando cerca de cem libras duma mistura de mirra e aloés. Tomaram, pois, o corpo de Jesus, e o envolveram em panos de linho com as especiarias, como os judeus costumavam fazer na preparação para a sepultura. No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim, e nesse jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda havia sido posto. Ali, pois, por ser a véspera do sábado dos judeus, e por estar perto aquele sepulcro, puseram a Jesus.

INTRODUÇÃO
Contraste é uma diferença acentuada entre duas coisas (ou pessoas).
A bíblia é um livro de contrastes:
A sabedoria de Deus é loucura para os homens que se consideram sábios;
O justo é condenado enquanto os pecadores são perdoados;
O sofrimento faz bem e é útil;
“Os último serão os primeiros”;

Um contraste interessante é a diferença entre a atitude de Nicodemos e José de Arimatéia e a dos apóstolos de Jesus na ocasião da Sua morte. Este é o contraste entre o antes e o depois destes dois grupos – os dos discípulos públicos e dos discípulos ocultos.Os públicos se ocultaram e os ocultos se revelaram ou pularam para o palco ficando sob as luzes enquanto os que estavam no palco sob as luzes procuraram um lugar escuro para se esconder. Vamos refletir sobre um dia específico na história bíblica em que os corajosos sumiram e os medrosos apareceram.

I.                    OS CORAJOSOS SUMIRAM
Quais foram os corajosos que sumiram? Se você respondeu os apóstolos, sua resposta está certa. Mas logo os apóstolos?! Sim, os apóstolos.
Em várias ocasiões demonstraram coragem. Por atitudes e palavras. Exemplos:
Quando atenderam ao chamado de Jesus e por isso deixaram tudo para segui-lo. Palavras de Pedro – João 13.37. “Disse-lhe Pedro: Por que não posso seguir-te agora? Por ti darei a minha vida.”
Mas, na hora em que mais Jesus precisou dele, e sobre a qual eles afirmavam estar preparados, sumiram:
Pedro – João cap 18.
v.17 “Então a porteira perguntou a Pedro: Não és tu também um dos discípulos deste homem? Respondeu ele: Não sou.
v.25 “E Simão Pedro ainda estava ali, aquentando-se. Perguntaram-lhe, pois: Não és também tu um dos seus discípulos? Ele negou, e disse: Não sou.
v.27 “Pedro negou outra vez, e imediatamente o galo cantou.

Mateus 26.56 – “... Então todos os discípulos o abandonaram e fugiram”.
 - Os outros –
Cadê os corajosos? Aqueles que antes podiam ser vistos publicamente, e à luz do dia andando com Jesus para lá e para cá? Aqueles que disseram que por Ele dariam até suas vidas?
Por três anos eles estiveram destemidamente acompanhando Jesus a qualquer lugar onde fosse, mesmo que isto representasse perigo. Mas, houve uma ocasião na história em que eles sumiram. Os corajosos sumiram. E quando os corajosos sumiram...

II.        OS MEDROSOS APARECERAM
Quem eram esses medrosos? Dois homens: José de Arimatéia e Nicodemos.
Nicodemos era um fariseu, um líder religioso da época. João 3.1 diz que ele era “... uma autoridade entre os judeus” ou membro do Sinédrio. Nicodemos foi ter com Jesus “à noite” (João 3.2 “Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.”). Embora o texto original não diga isso, muitos entendem que isso foi porque ele temia seus colegas líderes religiosos. Era o cuidado para permanecer no anonimato, oculto. Numa outra ocasião ele esboçou alguma coragem, mas se calou quando foi ridicularizado
João 7.50-52 “Nicodemos, um deles, que antes tinha procurado Jesus, perguntou-lhes: ‘A nossa lei condena alguém, sem primeiro ouvi-lo para saber o que ele está fazendo? ’ Eles responderam: ‘Você também é da Galileia? Verifique, e descobrirá que da Galileia não surge profeta’”.

José de Arimatéia- Provavelmente era uma espécie de senador romano. A primeira vez que João refere-se a ele o faz com as seguintes palavras: “... José era discípulo de Jesus, mas o era secretamente, porque tinha medo dos judeus” (João 19.38)
Todos sabiam que ele havia sido medroso, porque ocultara sua fé.
O que explica tal ocultação? Veja. João 12.42-43 “Ainda assim, muitos líderes dos judeus creram nele. Mas, por causa dos fariseus, não confessavam a sua fé, com medo de serem expulsos da sinagoga; pois preferiam a aprovação dos homens do que a aprovação de Deus”.
José de Arimatéia e Nicodemos eram medrosos. Mas, a história destes dois não termina assim. Eles tornaram-se corajosos!
No momento mais crítico da história de Jesus, os corajosos sumiram, e os medrosos apareceram – foram justamente Nicodemos e José de Arimatéia.
Este fato foi tão importante que os 04 evangelhos o registraram. (Veja depois: MT 27:57-61; Mc 15:42-47; Lc 23:50-56)

Para onde iria o corpo de Jesus se José de Arimatéia e Nicodemos não aparecessem?
Share on Google Plus

About Pastor Euller Souza

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário